Sexestima - Sexologia e Terapia de Casal e Sexual

Como o TDAH pode afetar a sexualidade?

Como o TDAH pode afetar a sexualidade?

O transtorno de déficit de atenção/hiperatividade do adulto (TDAH) é uma condição de saúde mental caracterizada por hiperatividade, inquietação, ações impulsivas e dificuldade em prestar atenção. É um distúrbio que pode interferir no dia a dia de uma pessoa, afetando relacionamentos, trabalho, autoestima e outros componentes importantes da vida.

O TDAH também demonstrou ter um efeito sobre a sexualidade de uma pessoa. Uma revisão sistemática da literatura de estudos sobre sexualidade em pessoas com TDAH (publicada no Journal of Sexual Medicine em 2020) indicou que o TDAH pode contribuir para a disfunção sexual e/ou ser prejudicial à saúde sexual geral de uma pessoa. No entanto, pouca pesquisa foi feita sobre o tema, e mais estudos em larga escala seriam benéficos para a compreensão completa da relação entre TDAH e sexualidade. 


Como o TDAH pode afetar a saúde sexual?

  • Pessoas com TDAH podem experimentar mais dificuldades em relacionamentos íntimos em geral porque alguns dos sintomas da condição (por exemplo, impulsividade, distração) podem ser desafiadores para outras pessoas importantes e entes queridos.
  • A distração e a falta de foco podem afetar negativamente a atividade sexual de várias maneiras:
    • Ser incapaz de se concentrar totalmente nos aspectos emocionais e nas sensações físicas do sexo pode tornar a experiência menos agradável para uma pessoa com TDAH.
    • Mostrar sinais de desatenção durante o sexo pode ser prejudicial para um parceiro sexual e prejudicar a intimidade/conexão.
    • A distração durante o sexo pode aumentar o risco de dificuldades sexuais porque a função sexual depende de elementos físicos e psicológicos.
  • Ter um desejo sexual muito alto ou muito baixo pode representar um problema para indivíduos com TDAH. Vários estudos demonstraram que as pessoas com TDAH relatam ter um desejo sexual maior do que os participantes dos grupos de controle. Se o desejo sexual de uma pessoa for muito alto, ela poderá experimentar pensamentos ou comportamentos sexuais compulsivos e / ou discrepância de desejo com um parceiro sexual. Alternativamente, alguns medicamentos para TDAH podem diminuir o desejo, resultando em um desejo sexual abaixo da média.
  • A impulsividade causada pelo TDAH pode levar a comportamentos sexuais mais arriscados. Certamente, nem todas as pessoas com TDAH se envolvem em comportamentos sexuais de risco, mas sentimentos de impulsividade podem estimular o desejo por atividades menos seguras, como sexo desprotegido.

Como uma pessoa com TDAH pode alcançar uma vida sexual satisfatória?

  • Tomar medicamentos para TDAH consistentemente conforme prescrito é uma das melhores maneiras de uma pessoa com TDAH apoiar sua vida sexual. Esses medicamentos podem manter os sintomas do TDAH como distração, impulsividade e hiperatividade sob controle. No entanto, se uma pessoa achar que sua medicação está afetando sua libido, ela deve falar com seu médico sobre a mudança de medicação.
  • Uma pessoa também pode considerar ajustar o tempo de sua medicação para TDAH. Por exemplo, uma pessoa que geralmente é sexualmente ativa à noite pode conversar com seu médico sobre a divisão da dosagem da medicação entre a manhã e o início da tarde para ajudar a manter o foco durante os encontros sexuais.
  • Manter uma comunicação aberta com um parceiro sexual também é benéfico. Quando os parceiros são informados das possíveis implicações do TDAH na sexualidade, eles podem estar mais bem equipados para gerenciar suas próprias respostas e expectativas. Ser honesto com um parceiro também é útil para construir confiança e intimidade.
  • O exercício regular pode melhorar o foco e diminuir os sintomas de TDAH.
  • Eliminar ou diminuir as distrações durante o sexo é uma boa maneira de manter a atenção nas sensações do momento.

Indivíduos com TDAH e seus parceiros ainda podem ter uma vida sexual satisfatória. Se você ou seu parceiro tem TDAH e sente que isso está afetando negativamente sua vida sexual, você pode se beneficiar conversando com um terapeuta sexual, um especialista em medicina sexual ou um profissional de saúde confiável sobre o assunto.

Referência: Traduzido de https://www.issm.info/sexual-health-qa/how-might-adhd-affect-sexuality

terapia sexual
Rodrigo Torres

Rodrigo Torres

Psicólogo e Sexólogo, Máster em Sexologia Clínica, Saúde Sexual e Especialista em Terapia Sexual. Coord. Instituto Ibero-americano de Sexologia no Brasil, Del. Estadual Sbrash em Minas Gerais com mais de 15 anos de experiência.

Ultimas do blog