Como manter a ereção sem recorrer a medicamentos

Você não é o único que busca uma resposta sobre como manter a ereção.

Ter relações sexuais mais prazerosas e duradouras é o desejo de muitos brasileiros.

Mais precisamente, estamos falando de 15 milhões de pessoas, o que representa 30% da população masculina economicamente ativa, conforme a Organização Mundial da Saúde.

Nesse contingente, estão homens que não conseguem ter e nem manter uma ereção satisfatória – características que marcam a impotência sexual.

Trata-se de uma disfunção tratável, mas nem sempre por via medicamentosa.

Remédios não funcionam quando a causa é psicológica – e é por isso que vamos falar neste artigo sobre um tratamento sem eles.

Como manter a ereção sem remédios

A insatisfação masculina com o desempenho sexual não é de hoje.

Tanto é assim que já faz duas décadas que surgiu o Viagra, famoso comprimido azul anunciado como solução contra a disfunção erétil.

Nesse tempo, muitos reencontraram o prazer, mas outros tantos fizeram uso indevido do medicamento.

Pesquisa do Instituto GFK identificou que um a cada cinco homens entre 22 e 30 anos que experimentaram a droga a adotaram de forma permanente.

Entre aqueles com 41 a 50 anos, o uso em todas as relações chega a 44%.

Só que o estimulante tem contraindicações e efeitos adversos.

Há riscos também na ingestão de cápsulas alegadamente naturais – em alta atualmente.

Havendo ou não ciência por trás do tratamento, a verdade é que nada funciona se as causas da dificuldade de ereção estiverem relacionadas a um problema emocional, como a ansiedade.

Não há como manter a ereção medicando-se para uma doença inexistente.

É por isso que um primeiro passo é investigar a origem do problema, o que envolve não apenas uma consulta médica, mas a visita a um profissional da área da Psicologia especializado em sexologia ou um terapeuta sexual.

De que forma a terapia sexual pode ajudar

A disfunção erétil pode ser desencadeada por diferentes medos que acompanham o homem.

Entre eles, há o medo de colocar a camisinha, acreditando que a interrupção nas preliminares poderia acabar com a vontade (e com a ereção).

Tem ainda a ansiedade de desempenho, caracterizada pelo medo de não agradar a parceira.

Podemos citar ainda a chamada fobia da penetração, relacionada ao medo de não manter a ereção durante o ato sexual.

Falar sobre o que aflige o homem é importante tanto para o diagnóstico, quanto para o tratamento.

Quando a impotência tem fundo emocional, pode tanto ser uma resposta a repetidas falhas quanto a um medo irracional, como os já citados.

O importante nesses casos é estar aberto ao diálogo e entender que o constrangimento maior está na falha diante da parceira e não em buscar ajuda.

A terapia sexual aborda técnicas científicas e funcionais, cujo objetivo é ajudá-lo a retomar o foco, neutralizar seus medos e controlar a ansiedade em relação ao desempenho.

Não se trata de uma solução mágica e a curto prazo, como prometido por remédios e cápsulas.

Por outro lado, oferece resultados duradouros e não apenas medidas paliativas.

Enfrente seus medos e vença a impotência

Você viu neste artigo que tem como manter a ereção sem depender de medicamentos.

Se o problema tem origem psicológica, não deixe de procurar ajuda.

Só mesmo enfrentando os medos é possível vencer a impotência.

Na clínica Sexestima, você encontra um serviço específico para enfrentar a disfunção erétil.

Faça contato e conte com a nossa discrição para enfrentar o problema.

Ultimas do blog

Gostaria de mais informações?