Dor na relação sexual: o que causa e como tratar

Sentir dor na relação sexual não é normal.

Se há qualquer desconforto naquele momento que era para ser apenas de amor e prazer, o sinal de alerta está ligado.

Mais importante neste momento é não adiar a busca por uma solução.

Primeiro, vem a descoberta sobre as causas e, depois, o que fazer para eliminar esse incômodo.

É justamente sobre isso que vamos falar a partir de agora.

Dor durante a relação sexual: o que está por trás dela?

A dor na relação sexual, tecnicamente chamada de dispareunia, atinge uma parcela significativa de mulheres.

Este estudo, que abordou a disfunção sexual feminina em idade reprodutiva, identificou a prevalência em 13% das mulheres entre 20 e 39 anos.

A incidência é considerável, o que é compreensível por haver causas diversas para a condição, tanto de ordem física como emocional.

Fatores físicos de dispareunia estão geralmente associados a mulheres em menopausa, condição que causa baixa de hormônios.

Pode também ter origem em infecções, miomas uterinos, endometriose, doenças sexualmente transmissíveis, uso de medicamentos e lesões de pele.

Cabe ainda falar do vaginismo, uma contração involuntária da musculatura na entrada da vagina, que pode provocar dor na relação sexual e até mesmo depois dela.

Entre os fatores emocionais que levam à dispareunia, estão a depressão, ansiedade, históricos de abuso sexual, criação religiosa rígida e até mesmo a falta de desejo sexual pelo parceiro.

Como tratar a dor no sexo?

A dor no sexo pode acompanhar a mulher desde a sua primeira experiência, ou surgir em algum momento posterior a isso.

Obviamente, o tratamento está relacionado ao que causa o problema, mas o primeiro passo inclui sempre a visita a um consultório ginecológico.

Se a dor na relação sexual ocorrer por falta de excitação, produtos como lubrificantes ou boas preliminares podem ajudar e muito.

Se há infecção, ela deve ser tratada com medicamentos.

Doenças como a candidíase por exemplo, devem ser observadas de perto por ginecologista, pois o quadro que parece controlado pode ressurgir, associado a problemas psicológicos.

Como a abordagem terapêutica pode ajudar?

Abordagens terapêuticas são indicadas quando não há causa física que justifique a dor na relação sexual.

Nesses casos, é importante buscar apoio de um profissional da área da Psicologia especializado em sexologia ou um terapeuta sexual.

Tratamentos como exercícios para a musculatura vaginal – pompoarismo, por exemplo – terapias voltadas a mudanças de comportamento da paciente e apoio do parceiro, ajudam a tratar as formas mais emocionais de dispareunia.

Com relativa frequência, a dor na relação sexual é alvo de uma abordagem conjunta, entre o terapeuta e o ginecologista, já que há fatores associados, como já comentado.

De todo modo, o importante é você investir na sua saúde sexual e no fim do desconforto durante o sexo, sabendo que esse momento é fundamental para um relacionamento feliz.

Para mudar de vida

A dispareunia não precisa ser um obstáculo para a felicidade no seu namoro ou casamento.

É errado acreditar que não há solução ou mesmo se acostumar com a dor na relação sexual.

Por vezes, inclusive, acabar com ela é muito mais fácil do que pensa.

Deixe o constrangimento de lado e converse com seu ginecologista.

E para buscar um suporte terapêutico, conte com a clínica Sexestima e seu serviço de abordagem à dispareunia.

Faça contato conosco.

Ultimas do blog

Gostaria de mais informações?