Personalidade e atitudes influenciam as experiências dos homens com ejaculação precoce

Avaliar traços e atitudes de personalidade pode ajudar os médicos a entender e tratar melhor os homens com ejaculação precoce (EP), sugere uma nova pesquisa no  Journal of Sexual Medicine. 

Em termos gerais, a ejaculação precoce ocorre quando um homem ejacula antes de desejar. A Sociedade Internacional de Medicina Sexual (ISSM) define EP com três critérios:

  • A ejaculação sempre ou quase sempre ocorre antes ou dentro de um minuto da penetração vaginal da primeira experiência sexual de um homem (EP ao longo da vida). Ou há uma redução clinicamente significativa e incômoda no tempo de latência, geralmente cerca de 3 minutos ou menos (EP adquirida).
  • A incapacidade de retardar a ejaculação ocorre em todas ou quase todas as penetrações vaginais.
  • A situação tem consequências pessoais negativas, como angústia, incômodo, frustração e/ou evitação da intimidade sexual.

Para este estudo, os autores consideraram quatro tipos de EP:

  • EP ao longo da vida  – que ocorre de forma consistente ao longo da vida de um homem
  • EP adquirida  – ocorrendo consistentemente após um período de ejaculação normal
  • EP variável  – ocorrendo de forma inconsistente
  • EP subjetiva  – ocorrendo como uma “percepção subjetiva”. O homem acredita que tem EP, mas seu tempo entre a penetração e a ejaculação está na faixa normal.

Personalidade e atitudes não foram amplamente estudadas no contexto da ejaculação precoce, disseram os autores. No entanto, em sua experiência, ambos os conceitos podem afetar a experiência de um paciente com EP.

“Em nosso trabalho clínico, descobrimos que as características de personalidade são um importante fator de influência da EP e a atitude em relação à EP pode ser usada como um verdadeiro reflexo das necessidades do próprio paciente durante o tratamento da EP ”, escreveram eles.

Eles entrevistaram 350 homens heterossexuais com EP que foram atendidos em seu consultório na China entre dezembro de 2018 e dezembro de 2019. Todos os homens mantinham relacionamentos monogâmicos com suas parceiras há pelo menos seis meses. A média de idade foi de 41 anos.

Um grupo controle de 252 homens sem EP também participou.

Os pesquisadores usaram o Índice de ejaculação precoce (IPE) para avaliar a função ejaculatória, controle e angústia.

Além disso, eles usaram a ferramenta Temperament and Character Inventory-Revised (TCI) para avaliar a personalidade. O TCI aborda quatro aspectos do temperamento (busca de novidades, evitação de danos, dependência de recompensa e persistência), bem como três aspectos do caráter (auto direcionamento, cooperação e autotranscedência de consciência unificada” em que “a fronteira entre o eu do indivíduo e o ambiente circundante torna-se muito turva, e o indivíduo torna-se parte do todo).

Atitudes sobre EP foram exploradas através de perguntas sobre as razões para procurar ajuda, influenciando fatores, e o papel dos parceiros no tratamento.

Entre os homens com EP, a forma adquirida foi a mais comum, acometendo 45% dos homens. EP ao longo da vida, EP variável e EP subjetiva foram relatados por 18%, 14% e 23% dos homens, respectivamente.

Temperamento e Caráter

scores no TCI revelou o seguinte:

  • Comparados aos homens sem EP, os homens com EP tiveram pontuações mais baixas nos domínios de busca de novidades e autotranscedência e pontuações mais altas em prevenção de danos
  • Homens com EP variável tiveram os maiores scores de prevenção de danos e menores escores de busca de novidades.
  • Homens com EP ao longo da vida tiveram os menores escores de autotranscedência.

Atitudes em relação à EP 

  • A maioria dos homens buscou tratamento para EP por causa de sua própria insatisfação ou pela insatisfação conjunta deles e de sua companheira.
  • Pouco mais da metade disse que sua incapacidade de controlar a ejaculação foi o fator com “maior influência”.
  • Cerca de 58% classificaram o papel do parceiro nas decisões de tratamento como “muito importante”. Apenas 8% disseram que “não era muito importante”.

Os autores concluíram que os homens com EP “tendem a reagir com indiferença ou rejeição à novidade, tendem a se sentir insatisfeitos, não conseguem se adaptar efetivamente às mudanças no ambiente ao redor e tendem a evitar situações de risco”.

Os médicos devem considerar essas características ao tratar homens com EP, acrescentaram.

Eles recomendaram mais pesquisas, especialmente em homens de outras áreas do mundo.


Recursos

Referência: Traduzido do site: https://www.issm.info/sexual-health-headlines/personality-and-attitudes-influence-men-s-experiences-with-premature-ejaculation

Ultimas do blog

Gostaria de mais informações?