Através da história, representações do corpo nu e relações sexuais podem ser encontradas em diferentes partes do mundo, sendo exaltadas e, outras vezes, repreendidas como símbolo do pecado. 

Fato é que o ser humano sempre usou seus dons artísticos para expressar sentimentos, visões de mundo e desejos. 

Assim, nada mais natural que a sexualidade permear nossas representações artísticas por meio do erotismo. Quer conhecer um pouco dessa história? Confira este texto até o final! 

Arte e Erotismo através da história 

Não podemos afirmar quando a arte e o erotismo iniciaram sua parceria, mas esculturas e pinturas primitivas já demonstravam a importância do tema para os seres humanos. 

A Vênus de Willemdorf, esculpida em calcário entre 28 mil e 25 mil a.C., é uma das primeiras obras artísticas que conhecemos, e já mostrava expressões relacionadas ao nu feminino. 

A escultura traz uma mulher com a vulva, seios e nádegas destacados. Acredita-se que trabalho tem representação ligada com a fertilidade. 

história da arte erótica

Em diversas partes do mundo, atividades artísticas se desenvolveram acerca do tema, sendo muitas vezes consideradas transgressoras, como, por exemplo, os famosos afrescos de Pompeia, que mostravam ereções e atos sexuais amplificados.

História da arte erótica
Afresco de uma relação sexual entre dois homens e uma mulher, encontrada em termas da cidade romana de Pompeia.

 

Outro povo que se destacou por sua arte erótica, é o Moche, civilização pré-colombiana que viveu onde atualmente está localizado o Perú.

Arte erótica dos Moche.
Arte erótica dos Moche.

 

Mudando de continente, chegamos ao Japão, país de uma tradicional e centenária arte erótica, conhecida como shunga.

O termo shunga significa “imagens de primavera” , um eufemismo para se referir ao ato sexual na cultura japonesa. 

De acordo com estudiosos, os homens foram os principais produtores e consumidores dos shunga, mas esse tipo de arte também teve grande aceitação entre o público feminino.

O Sonho da Esposa do Pescador, de Katsushika Hokusai, de 1814, famoso exemplo de shunga.
O Sonho da Esposa do Pescador, de Katsushika Hokusai, de 1814, famoso exemplo de shunga.

 

Já na Europa, o erotismo na arte sofreu com a repressão da igreja e de movimentos relacionados ao puritanismo por muito tempo. 

Edouard Manet, por exemplo, causou escândalo ao apresentar Déjeuner sur l’Herbe (1862), ou  “almoço na grama” em tradução livre, na qual uma mulher nua é vista sentada entre dois homens vestidos em um piquenique.

A pintura, mesmo tendo uma nudez velada, teve grande repercussão na época pela cena atípica de uma mulher nua com dois homens da burguesia em um bosque.

Déjeuner sur l'Herbe, de Edouard Mane (1862).
Déjeuner sur l’Herbe, de Edouard Mane (1862).

 

No entanto, com o passar dos anos, o tema foi amplamente explorado por artistas notórios, como Auguste Rodin, Salvador Dalí e Pablo Picasso. 

Atualmente, as expressões da arte erótica encontram lugar também em outros formatos, como na fotografia, por exemplo, e continuará evoluindo conforme nossa sociedade progride. 

E você? Gostou de aprender um pouco sobre a história da arte erótica? Siga nossas redes sociais e não perca nenhum conteúdo como este.

 

Ultimas do blog

Gostaria de mais informações?